segunda-feira, 23 de abril de 2018

Saiba como a Copasa adotará o rodízio a partir desta segunda-feira (23) em toda Montes Claros

Saiba como a Copasa adotará o rodízio a partir desta segunda-feira (23) em toda Montes Claros


A Copasa informa que a estiagem dos últimos anos e a diminuição do nível das captações superficiais da barragem de Juramento, ribeirão do Rebentão dos Ferros, Lapa Grande, e rios Pacui/Porcos, tem prejudicado o abastecimento de Montes Claros.




[caption id="attachment_244883" align="aligncenter" width="330"]Saiba como a Copasa adotará o rodízio a partir desta segunda-feira (23) em toda Montes Claros Saiba como a Copasa adotará o rodízio a partir desta segunda-feira (23) em toda Montes Claros[/caption]

 

Para garantir o fornecimento de água aos moradores desta cidade durante o período crítico, a Companhia adotou o rodízio como medida emergencial, além da perfuração e/ou reativação e operação de poços profundos, intervenções nas redes de distribuição e do apoio de caminhões−pipa, quando necessário.


Sendo assim, o rodízio está sendo realizado em toda a cidade, inclusive nas partes mais altas, conforme cronograma abaixo.


 

















































































































































































DiaRegiãoDesabastecidaInicio do DesabastecimentoDiaTérmino do DesabastecimentoPeríodo de Interrupção
DataHorárioDataHorário
SegundaRegião 0323/04/2018A partir de 22hQuarta25/04/2018Até às 22h      48h
SegundaRegião 0423/04/2018A partir de 22hTerça24/04/2018Até às 04h06h
TerçaRegião 0124/04/2018A partir de 22hQuinta26/04/2018Até às 22h48h
TerçaRegião 0424/04/2018A partir de 22hQuarta25/04/2018Até às 04h06h
QuartaRegião 0225/04/2018A partir de 22hSexta27/04/2018Até às 22h48h
QuartaRegião 0425/04/2018A partir de 22hQuinta26/04/2018Até às 04h06h
QuintaRegião 0326/04/2018A partir de 22hSábado28/04/2018Até às 22h48h
QuintaRegião 0426/04/2018A partir de 22hSexta27/04/2018Até às 04h06h
SextaRegião 0127/04/2018A partir de 22hDomingo29/04/2018Até às 22h48h
SextaRegião 0427/04/2018A partir de 22hSábado28/04/2018Até às 04h06h
SábadoRegião 0228/04/2018A partir de 22hSegunda30/04/2018Até às 22h48h
SábadoRegião 0428/04/2018A partir de 22hDomingo29/04/2018Até às 04h06h
DomingoRegião 0329/04/2018A partir de 22hTerça01/05/2018Até às 22h48h
DomingoRegião 0429/04/2018A partir de 22hSegunda30/04/2018Até às 04h06h
SegundaRegião 0130/04/2018A partir de 22hQuarta02/05/2018Até às 22h      48h
SegundaRegião 0430/04/2018A partir de 22hTerça01/05/2018Até às 04h06h

 

REGIÃO 1

Bairros: Acácia, Alcides Rabelo, Alto da Boa Vista, Augusta Mota, Canelas I e II, Carmelo,  Clarice Ataíde, Clarindo Lopes, Conj. Havaí, Conj. José Carlos de Lima, Delfino Magalhães, Dr. Antônio Pimenta, Dr. João Alves, Esplanada, Francisco Perez, Guarujá, Jaraguá I, Jardim Alegre, Jardim Liberdade, Jardim Palmeiras, Jardim Primavera, Jardim São Geraldo, João Botelho, JK, Major Prates, Maria Cândida, Monte Carmelo, Morada da Serra, Morada Do Parque, Nova América, Nova Suíça, Parque Jardim Morada do Sol, Planalto, Raul Lourenço, Recanto das Águas, Regina Peres, Residencial Minas Gerais, Residencial Monte Cristal, Residencial Monte Fiore, Santa Laura, Santa Lucia I e II, Santa Rita I e II, Santo Antônio I, Santos Dumont, São Lucas, Universitário, Vargem Grande II, Vila Real, Vila Sion, Vila Telma, Vilage do Lago l e II.


REGIÃO 2


Bairros: Alterosa, Amazonas, Centro, Chiquinho Guimarães, Cidade Industrial, Ciro dos Anjos, Conj. Habitacional Joaquim Costa, Cristo Rei,  Dona Gregória, Edgar Pereira, Independência e Adjacentes,  Interlagos, Jaraguá II, Jardim Brasil, José Corrêa Machado, Mangues, Maracanã, Melo, Nossa Senhora das Graças, Novo Jaraguá,  Residencial Vitória I e II, Santa Rafaela, Santo Inácio, Santos Reis, São Judas I, Todos os Santos, Vila Antônio Narciso, Vila Áurea, Vila Brasília, Vila Campos, Vila Greicy, Vila João Gordo, Vila Nossa Senhora Aparecida, Vila Santa Cruz, Vila São Francisco de Assis. 


REGIÃO 3

Bairros: Alice Maia, Alto São João, Barcelona Park, Bela Vista, Belvedere, Camilo Prates, Cândida Câmara, Cintra, Eldorado, Fazendas, Floresta, Funcionários, Gran Royalle Pirâmide, Ibituruna, Jardim Alvorada, Jardim Europa, Jardim Olímpico, Jardim São Luiz, Lurdes, Monte Alegre, Morada do Sol, Nossa Senhora de Fátima, Nova Morada, Novo Delfino, Olga Benário, Panorama I e II, Parque jardim Olímpico, Ponta do Morro, Renascença, Residencial Montes Claros, Residencial Sul e Sul Ipês, Residencial Vila do Cedro, Roxo Verde, Sagrada Família, Santa Cecília, Santa Eugênia, Santo Amaro, Santo Antonio ll, São Geraldo ll, São José, São Judas II, Sumaré, Tancredo Neves, Todos os Santos II, Vera Cruz, Vila Anália, Vila Atlântida, Vila Castelo Branco,  Vila Exposição, Vila Ipiranga, Vila Mauricéia,  Vila Oliveira,  Vila Santa Maria, Vila Regina, Vila Tiradentes.


REGIÃO 4


Bairros: Cidade Nova, Distrito Industrial, Vila Guilhermina e adjacências.


A Copasa esclarece que o abastecimento nestas regiões será restabelecido de forma gradativa. Para outras informações, dúvidas ou solicitação de serviços, ligue 115, cuja chamada é gratuita, ou vá até a agência de atendimento ao cliente mais próxima de sua residência.

Homem é esfaqueado sete vezes no Norte de Minas

Homem é esfaqueado sete vezes no Norte de Minas



Na tarde deste domingo (22/04/2018) um homem de 46 anos foi esfaqueado sete vezes em Lagoa dos Patos no Norte de Minas.




[caption id="attachment_244879" align="aligncenter" width="441"]Homem é esfaqueado sete vezes no Norte de Minas Homem é esfaqueado sete vezes no Norte de Minas[/caption]

De acordo com as informações da Polícia Militar (PM), o crime foi após uma discussão entre a vítima e o autor, de 24 anos, no Bairro Vila Branca.





Ainda segundo os militares, os dois estavam (vítima e agressor) em um campo de futebol quando se desentenderam.


O criminoso desferiu sete golpes de faca na vítima e fugiu em uma motocicleta.






Pessoas que estavam no local socorreram a vítima e encaminharam até um  hospital, onde constatou que os golpes atingiram as costas do homem.


Até o momento o agressor não foi preso.




Autoras negras abrem horizontes e mercados

Autoras negras abrem horizontes e mercados



Já há alguns anos, autoras negras têm despontado mais no mercado editorial brasileiro e permitido ao público ter contato com narrativas que revelam os lugares de fala dessas mulheres, que são filhas da contemporaneidade, mas que, com sua escrita, não deixam de se relacionar com a potência de suas ancestralidades e matrizes africanas. Da precursora Maria Firmina dos Reis a Conceição Evaristo, de Carolina Maria de Jesus à dramaturga mineira Grace Passô, temas como o racismo, a escravidão e a luta por direitos são recorrentes nas narrativas construídas por elas, seja em prosa (escrita ou falada), verso ou em gênero dramático.




[caption id="attachment_244876" align="aligncenter" width="495"]Autoras negras abrem horizontes e mercados Autoras negras abrem horizontes e mercados[/caption]

 

“Estou otimista em relação a um crescimento desse mercado (editorial). Pelo menos dentro da minha editora (Record), ter publicado ‘Um Defeito de Cor’ (2007) mudou completamente a visão deles, pois é um livro grosso, numa época em que se fala que as pessoas não leem, só leem meme. É uma temática pesada, escravidão, racismo, escrito por uma autora desconhecida, mas que encontrou seu público”, comenta a escritora Ana Maria Gonçalves, uma das escritoras mais respeitadas da cena atual. Ana esteve em Belo Horizonte na última segunda-feira para um bate-papo na Faculdade Una, dentro do projeto Pretança, e para participar do Segunda Preta, como autora homenageada da quarta edição do projeto. Ambas as iniciativas, aliás, demonstram a pungência das temáticas negras femininas e feministas. Também o fato de as temáticas encontrarem mais lugares de compartilhamento, em saraus, rodas de mulheres, cenas teatrais etc.


Para Ana Maria, é possível perceber um novo paradigma em curso na literatura brasileira e ela toma como exemplo o principal evento literário do país, a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que ocorre anualmente. “Na última Flip, era possível ver a cara de espanto das pessoas ao ver um público negro enorme, que nos anos anteriores não ia porque não se sentia representado. As empresas passaram a ver a possibilidade de um mercado lucrativo, porque ele vem quebrar um pouco a chatice que estava a literatura brasileira dos últimos anos. Uma onda de livros muito umbiguistas. E nós estamos trazendo novas propostas de tema, dando uma agitada no mercado”, analisa.


Há 37 anos, a editora Mazza publica livros com temática étnico-racial. Para Maria Mazarello, responsável pela editora, “as autoras, de um modo geral, estão mais presentes no mundo editorial brasileiro”. “Elas ganharam um pouco mais de espaço, mais visibilidade. Na verdade, eu acredito que elas sempre existiram, mas não tinham essa chance. Autoras, que antes eram ignoradas, hoje são até disputadas. Todo mundo quer ter a Conceição Evaristo”, pondera.


Por falar em Conceição, a Mazza Edições foi a primeira editora a publicar a celebrada e desejada autora, que segue como uma das preferidas de Mazarello. Além dela, a editora gosta de Ana Maria Gonçalves, Geni Guimarães e Cidinha da Silva. Para ela, há uma tremenda força na escrita dessas e de outras autoras. “O forte delas é falar da questão do preconceito. Elas botam o dedo na ferida. O foco é a questão racial, a questão do preconceito, a falta de espaço. Elas são fiéis a esse propósito. Não é uma escrita de lugar-comum, essa questão do lugar-comum da branquitude. A questão da negritude incomoda tanto porque é mais nova, é um espaço que batalhamos e estamos abrindo. A branquitude conhece, mas prefere ignorar”, pontua.


A poeta Nívea Sabino é um dos nomes que despontam na cena literária da cidade. Prestes a relançar seu livro “Interiorana”, Nívea sempre teve interesse pela escrita, sobretudo por influência da música e dos castigos peculiares aplicados por seu pai a ela e seus irmãos na infância. “Meu pai colocava a gente de castigo para escutar os cantores e cantoras que ele gostava”, lembra ela. Dessa forma, seus ouvidos foram moldados ao som de Gonzaguinha, Dona Ivone Lara, Vinícius de Morais e tantos outros.


A artista viu sua voz potencializada em saraus de poesia que ocorrem nas periferias de Belo Horizonte, especialmente o Coletivoz – que, durante muitos anos, semanalmente, se reunia no Vale do Jatobá, na região do Barreiro. “Eu venho de um processo da poesia falada, mas senti a necessidade de publicar, de registrar a palavra escrita. Meu processo passa pelo ativismo, pelo fato de ser uma mulher negra e como o racismo nos atinge de maneira estrutural. A palavra é um grito, um desejo de existir, de me colocar nesse universo. Minha poesia parte dessa conexão que minha palavra cria, um diálogo direto com a população negra. Uma poesia mais marginal. Com desejo de dialogar com quem nós somos. A gente escreve, lê. Quando eu publico, é pra criar memória, produção de memória e de conhecimento de mulheres negras”, ressalta a poeta.


Para além, Nívea destaca também o fato de ter sido criada no interior, daí o nome de seu livro: “Somos resistência, somos força, mas temos um desejo de amar, tem uma sensibilidade. Então, penso em um universo mais doce. Penso em um tempo menos acelerado, em que as pessoas se conhecem e vão comprar pão na padaria e conservam sobre a vida”, pontua.


Se liga!

O sarau Preta Poeta acontece a cada 15 dias em Belo Horizonte. Siga o Facebook.

No portal da literatura afro-brasileira, é possível conhecer mais autoras negras.

“Lírica de Favelada”, de Nívea Sabino

Eu gasto muito
é com passagem
Coração selvagem
animalia de mais valia
que me convida
a ousar ser nós
transformando o engasgo
num fuzilo
Só!


Resolvi lutar
com o que não tive acesso
Eu, réu!?
– confesso!
Me negou os versos
Me ouvindo assim
(des) faço um outro
seu me olhar

Quiçá
em ti
encanto provocar
E desmontar
o ódio e
a aversão à cor
que chegam primeiro
do que quem eu sou


Li livros
ouvi discos
folheei jornais, me formei ao gosto
do que tanto faz
Meu grito é o mesmo
dos meus ancestrais
de um Amarildo
que não volta mais

Cairão mais! ( ...e quantos mais!?)
N’zinga, não deixa que
(oh!) corram
socorro!
Nenhum
ao meu redor
impediu o metrô
de seguir viagem


Havia um corpo
negro
estendido no trilho
e ninguém
desviou o caminho
Salve e lembrem Dandara
esposa de Zumbi,
quem soube?

Toda periferia sangra
que nem Manguinhos
criança preta
não é bandido
Cê pede paz,
mais um negro jaz!


Aqui Jazz
sambando endosso
te funk na cara
melodia rara
negra graduada(mente)
dominando a fala e a palavra
São
denúncias líricas
de uma favelada







Pelo menos seis pessoas morrem e 13 ficam feridas em acidente na BR-116 em Minas Gerais

Pelo menos seis pessoas morrem e 13 ficam feridas em acidente na BR-116 em Minas Gerais


O sonho da estudante Riane David Almeida de ser médica terminou na madrugada desta segunda-feira (23), quando ela se tornou uma das seis vítimas de um grave acidente na BR-116, em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce. Ela estava em um ônibus que seguia de Itaobim para Belo Horizonte.




[caption id="attachment_244875" align="aligncenter" width="495"]Pelo menos seis pessoas morrem e 13 ficam feridas em acidente na BR-116 em Minas Gerais Pelo menos seis pessoas morrem e 13 ficam feridas em acidente na BR-116 em Minas Gerais[/caption]

 

O ônibus de viagem foi atingido por uma carreta que ficou desgovernada depois que o motorista de uma caminhonete invadiu a contramão.


Riane tinha apenas 20 anos e era natural de Teófilo Otoni, mesma cidade do policial militar aposentado José Maria Gomes Fernandes, que tinha 62 anos e também morre.


Outras duas idosas também não resistiram aos ferimentos. Uma delas foi Marialdina Otoni Silva de 65 anos. Outra idosa de 76 anos e mais duas pessoas, ainda não identificadas, também morreram no acidente. Todas as vítimas estavam no ônibus.


De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) há ainda 13 feridos, sendo que cinco deles estão em estado grave e os outros 8 com ferimentos leves. Entre os feridos graves está o motorista da caminhonete. O motorista do ônibus e o da carreta nada sofreram.


Quem se machucou mais gravemente foi socorrido para o Hospital Municipal de Governador Valadares, já os feridos mais leves foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Governador Valadares.


Todos os feridos foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros de Governador Valadares e pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).


O ônibus era da empresa Vale Viagens e foi fretado para fazer a viagem de Itaobim para Belo Horizonte.


Motorista pode ter bebido


A caminhonete seguia no sentido Governador Valadares quando invadiu a contramão. O motorista da carreta tentou desviar da caminhonete e acabou atingindo o lado direito do ônibus.


A carreta estava carregada com tubos de metal e a carga


Existe a suspeita que o motorista da caminhonete estivesse bêbado, no entanto, como ele se feriu gravemente não foi possível fazer o teste do bafômetro.


Um exame será feito no Hospital Regional para descobrir se ele tinha bebido. O acidente ocorreu por volta de 0h e o socorro das vítimas durou até quase 2h da manhã. O trânsito chegou a ficar interditado até por volta de 3h30.


*As informações são do Portal O Tempo.

Carla Perez relembra saída do É o Tchan: 'Houve agressão'

Carla Perez relembra saída do É o Tchan: 'Houve agressão'


A cantora e dançarina Carla Perez falou a respeito de sua saída do É o Tchan, um dos grupos de pagode de maior sucesso do País nos anos 1990, em entrevista ao Programa da Sabrina que foi ao ar no sábado, 21.




[caption id="attachment_244874" align="aligncenter" width="495"]Carla Perez relembra saída do É o Tchan: 'Houve agressão' Carla Perez relembra saída do É o Tchan: 'Houve agressão'[/caption]

 

Questionada pela apresentadora sobre os motivos de ter ido embora do grupo, Carla disse considerar que o momento foi o mais difícil de sua carreira: "A gente teve um desentendimento. Eu era menina, muito nova e jamais iria aceitar que ninguém, muito menos homem nenhum, me agredisse. Como houve agressão gratuita eu pedi pra sair."

"É uma coisa meio sem explicação até hoje, mas acho que todo ciclo tem seu tempo. E lá teve o meu. Foi curto, mas foi o suficiente. Hoje eu não estaria aqui se não fosse lá atrás", complementou.

Ela ainda contou sobre a atitude que tomou após o ocorrido: "A única coisa que falei com um dos donos da época, é que eu pedi a agenda pra ele. 'Me dá a agenda agora pra eu olhar, que eu vou fazer meu último show. Fora sua agenda, pode marcar uma data pra Salvador, porque eu vou despedir na minha cidade, na minha terra Fora isso, se você não me entregar a agenda agora, eu saio hoje, vou na delegacia e dou queixa agora.' O que terminou de acontecer."

"Acho que mulher nenhuma, ninguém, na verdade, merece ser agredido. Muito menos a mulher. [...] Não sei se o que fiz foi certo ou não, mas preferi dessa forma", concluiu.

Carla Perez saiu do É o Tchan no primeiro semestre de 1998. Após o fato, o grupo criou um concurso para escolher a "nova loira do Tchan", exibido pelo Domingão do Faustão.



ANATER inicia ações do programa mais gestão

ANATER inicia ações do programa mais gestão


O programa prevê atendimento gerencial voltado para qualificação da gestão de empreendimentos da agricultura familiar, com foco no mercado.




[caption id="attachment_244873" align="aligncenter" width="495"]ANATER inicia ações do programa mais gestão ANATER inicia ações do programa mais gestão[/caption]

 

Nesta semana, a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) inicia as ações do Programa de Ater Mais Gestão, que prevê atendimento gerencial voltado para qualificação da gestão de empreendimentos da agricultura familiar, com foco no mercado.


O programa inicia no estado de Santa Catarina, com um curso de formação para extensionistas da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), no período de 23 a 27 de abril, na cidade de Chapecó.


No estado catarinense, o Mais Gestão vai beneficiar 39 empreendimentos familiares, sendo estes cooperativas e associações que já vêm sendo assessoradas pela Epagri nas áreas de gestão, mercado e produção, para qualificar suas ações com foco ao acesso as variadas alternativas de mercado. “A iniciativa é muito importante para dar subsídio e apoio às cooperativas do Estado”, avalia Luiz Hessmann, presidente da Epagri.


O Programa


O Mais Gestão é uma estratégia da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), baseado nos princípios, objetivos e diretrizes da Política Nacional de ATER (Pnater), com metodologia composta por atividades que vão da adesão dos empreendimentos, passando pelo diagnóstico, elaboração participativa de plano de gestão, prospecção de mercado, atendimentos individuais e coletivos, até a avaliação dos resultados.


O presidente Valmisoney Moreira Jardim explica que a Anater é parceria da Sead para efetivar as ações do programa, cuja meta para este ano é atender 1.032 empreendimentos. “O Mais Gestão se configura como oportunidade para o aprimoramento gerencial de organizações econômicas da agricultura familiar, como associações e cooperativas, e sua inserção no mercado. Inicialmente, a Anater vai firmar parceria com entidades públicas prestadoras de Ater. A próxima etapa será efetivada através de chamadas públicas, e todas as entidades credenciadas no Sistema de Gestão de Ater (SGA) poderão participar do processo”.


De acordo com o presidente, o objetivo é ampliar e qualificar a oferta de assistência técnica em todas as unidades da Federação. “O Mais Gestão abrange as áreas de comercialização e marketing, finanças e custos, ambiental, gestão de pessoas, gestão do quadro social, e produção e processos agroindustriais. Para participar, os empreendimentos devem ser compostos por agricultores familiares, possuir DAP jurídica e um mínimo de 20 associados”, completa.


O próximo estado a ser atendido pelo programa será o Rio Grande do Sul, numa parceria da Anater com a Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-RS), beneficiando 124 empreendimentos.


O curso de formação dos técnicos envolvidos no programa está previsto para o período de 21 a 25 de maio.


 

Minas Gerais é o 3º estado brasileiro com mais lixões

Minas Gerais é o 3º estado brasileiro com mais lixões


Recentemente, o Supremo Tribunal Federal julgou inconstitucional o dispositivo do novo Código Florestal que trata a gestão de resíduos como um serviço de "utilidade pública" e "interesse social", decisão que pode inviabilizar a implantação de novos aterros sanitários no país e fomentar o surgimento de novos lixões à céu aberto, gerando um retrocesso nos avanços dos últimos anos.




[caption id="attachment_244858" align="aligncenter" width="457"]Minas Gerais é o 3º estado brasileiro com mais lixões Minas Gerais é o 3º estado brasileiro com mais lixões[/caption]

 

No Brasil, são geradas quase 80 milhões de toneladas de resíduos por ano, sendo que mais de 40% desse total vai para lixões ou estruturas irregulares, que poluem e comprometem áreas de proteção ambiental. Apesar de todo o esforço feito a partir da Política Nacional de Resíduos Sólidos (2010), que estabelecia o fim dos lixões até 2014, o Brasil ainda tem cerca de três mil vazadouros ilegais e apenas 679 aterros sanitários regularizados. Minas Geraisvive uma situação crítica: o estado é o 3º na lista de estados com mais lixões/vazadouros - 246 no total -, ficando atrás da Bahia e do Maranhão. Atualmente, 35,1% do total de resíduos - o que corresponde a aproximadamente 6,1 mil toneladas por dia - são destinados incorretamente, impactando 4,9 milhões de mineiros.


A decisão do STF cria problemas para a destinação adequada dos resíduos – inviabilizando, especialmente, a construção de novos aterros sanitários. Desde então, diversos grupos têm se articulado para que a medida seja revista. Até a decisão final, processos de licenciamento de novos aterros no país estão paralisadosA produção de lixo, no entanto, não para.


Para falar desse assunto de extrema importância, gostaria de sugerir uma entrevista com Carlos Rossin, especialista em sustentabilidade e coordenador de diversos estudos sobre resíduos sólidos. Ele é formado em Engenharia Civil pela Universidade de Maryland (EUA), foi Diretor de Sustentabilidade da PwC e Conselheiro do Pacto Global da ONU em São Paulo.


Abaixo, seguem alguns dados complementares:

  • Calcula-se que 40% dos resíduos gerados no planeta são destinados inadequadamente. No Brasil, essa disposição inadequada acarretará em custos ambientais e de saúde entre U$ 3,25 e 4,65 bilhões para o período de 2016 a 2021. Estima-se que só o Sistema Único de Saúde (SUS) gaste, anualmente, cerca de R$ 1,5 bilhão com doenças causadas pela falta de destinação e de tratamento correto dos resíduos sólidos (International Solid Waste Association – ISW).

  • Dos 5.568 municípios brasileiros, 3.326 ainda descartam seus resíduos incorretamente, e, por ano, 41% das 79 milhões de toneladas de resíduos produzidos vão para vazadouros a céu aberto (Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2015 – Abrelpe).

  • Cerca de 17 milhões de brasileiros não dispõe sequer dos serviços de coleta de resíduos, o que equivale à população da Holanda (SNIS 2015).